• Ícone do Facebook Preto
  • Ícone do Twitter Preto
  • Preto Ícone Instagram
  • Renato Gomes

Mau cheiro incomoda e preocupa moradores de diversos bairros de Jardinópolis

Aplicação de adubo orgânico em área rural próximo da cidade seria o responsável pelo odor, em entrevista, o Secretário do Meio Ambiente fala sobre o ocorrido

Durante o inicio dessa semana, os moradores de alguns bairros mais próximos da entrada da cidade de Jardinópolis como Morumbi, Santa Fé, São Gabriel, São Jorge, foram surpreendidos com um forte odor que invadia as casas. Sem saber exatamente de onde vinha esse cheiro, alguns desses munícipes foram para as redes sociais questionando em seus perfis e em grupos se sabiam do que se tratava.


Num determinado momento, foi descoberto que o cheiro vinha de uma área rural particular próxima a passarela da Rodovia Dr. Arthur Costacurta, onde a pessoa responsável pela área de plantação teria espalhado no local um adubo orgânico conhecido como ‘Cama de Frango’, o que teria criado todo o odor forte que se espalhou por vários bairros na medida que o vento batia.


Alguns munícipes resolveram procurar por órgãos de fiscalização como foi o caso de Leandro Moretti Serrano, que procurou a Secretaria do Meio Ambiente, a Polícia Ambiental para uma possível averiguação do solo e a CETESB para fazer uma fiscalização no local.


Segundo Leandro esse tipo de situação não devia nem acontecer, o forte cheiro pode prejudicar inclusive a saúde de muita gente, principalmente crianças e idosos, com dores de cabeça, vômito e falta de ar, inclusive disse ter relatos de desmaios.


Procuramos o Secretário de Agricultura, Abastecimento e Meio Ambiente, Mário Roberto Meloni, e em entrevista nos disse que ficou sabendo do caso no final da tarde da última terça-feira (12). Na manhã de hoje (13) o secretário foi atrás dos responsáveis pelo local e conversou com um funcionário da pessoa que arrenda o espaço e segundo ele, foi esparramado na terra a Cama de Frango, com utilização de uma esparramadeira de calcário.


Segundo o secretário, a solução naquele momento seria incorporar o adubo ao solo, usando um trator com a grade e misturar com a terra, pois não tem como recolher o que foi esparramado, diferente se fossem montinhos.


O que foi feito no local é um enriquecimento do solo com o adubo orgânico, como disse o secretário: “Isso aí não contamina o solo, porque você enriquece o solo, mas você tem que incorporar com a terra, pois é um adubo orgânico”.


A preocupação com a contaminação do solo foi descartada pelo secretário, como disse em sua fala, pois se trata de material orgânico, assim como a contaminação com algum córrego, sendo que o mais próximo se encontra a cerca de 200 metros do local.


Talvez o maior problema aqui seja o fato de ser próximo a cidade, segundo o secretário, essa incorporação devia ter sido feita logo após a aplicação da cama de frango, para justamente evitar o mau cheiro, mesmo assim, esse tipo de aplicação de adubo orgânico próximo a área urbana, devia ser evitada, e ele deixa um alerta e um pedido para as pessoas, que procurem sempre um órgão responsável para orientação técnica antes desse tipo de aplicação, que segundo ele, não houve essa procura.


Sobre a CETESB, o secretário disso que eles sempre orientam a forma correta de agir, tanto para esse tipo de aplicação de adubo orgânico como por exemplo, para compostagens, pelo menos que seja feito a 100 metros de distância de qualquer residência para evitar esse tipo de problema.


Até a publicação desta matéria, Leandro ainda não tinha uma resposta da Polícia Ambiental e nem da CESTEB.



O que é a Cama de Frango?


Foto: Divulgação

A cama de frango é um material composto principalmente de palha de arroz, serragem, e juntamente com fezes, urina, restos de ração e penas que se misturam, caracterizando um produto de origem animal.


Além da cama de frango, os produtos que contenham proteína ou gordura de origem animal, como farinha de sangue, de carnes e ossos, de resíduos de açougue, dejetos de suínos, sangue e derivados, entre outros são proibidos na alimentação de ruminantes. A proibição existe desde 1996, mas foi em 2004, quando o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou a Instrução Normativa nº 8, que as fiscalizações e interdições ficaram mais sérias.


Como não pode ser utilizada na alimentação do rebanho, a cama de frango é uma ótima opção de fertilizante para as lavouras, pastagens e hortaliças. Com alto teor de nitrogênio, cálcio, fósforo, potássio, enxofre, zinco e magnésio, este adubo orgânico favorece o crescimento de raízes das plantas e retém os nutrientes disponíveis no solo. Outro ponto positivo é que a liberação dos agentes químicos é feita de forma gradativa e lenta, nutrindo a planta por longos períodos, além disso, o produtor vai conseguir reduzir os custos.


Fonte: Site Rural Pecuária

  • Ícone do Facebook Preto
  • Ícone do Twitter Preto
  • Preto Ícone Instagram