• Ícone do Facebook Preto
  • Ícone do Twitter Preto
  • Preto Ícone Instagram
  • Benato Gomes

O Dia Mundial do Disco Voador e a Noite Oficial dos OVNIs no Brasil

Saiba por que 24 de junho é o Dia Mundial do Disco Voador e o que aconteceu nos céus do Brasil na noite do dia 19 de maio de 1986


Olá Pessoas Maravilhosas, tudo bem com vocês?


Hoje o termo OVNI (Objeto Voador Não Identificado) se tornou tão comum que praticamente todo mundo sabe o é, mas muita gente ainda confunde as coisas.

O termo “Disco Voador” (ou Flying Discs em inglês) foi usado pela primeira vez no ano de 1947 por uma reportagem de Nolan Skiff e William C. Bequette, do jornal East Oregonian, sobre o suposto avistamento do aviador norte-americano Kenneth Arnold.


Kenneth Arnold e o disco voador. (Foto: McClure's Magazine)

No dia 26 de junho de 1947, Kenneth Arnold voava próximo ao Monte Rainier, no estado de Washington, nos Estados Unidos, quando avistou nove objetos estranhos voando pela região. Ele havia feito um desvio de sua rota original, pois havia uma recompensa para quem encontrasse os destroços de um avião caído naquela região.


Após desistir das buscas, Arnold foi surpreendido com um ponto de claridade que, de acordo com o seu relato, se movia a cerca de 40 km de distância de sua aeronave. Como o céu estava limpo, ele pensou que pudesse ser apenas algum reflexo na janela, hipótese logo descartada após alguns testes simples.


Meio minuto após o primeiro reflexo, como se a luz do sol estivesse sendo refletida em sua direção por meio de espelhos, ele avistou uma série de outras luzes se movendo rapidamente ao norte do Monte Rainier.


A curiosidade sobre o que acabara de ver levou Arnold a mudar novamente sua rota e, de longe, refazer o trajeto desenhado no céu pelos objetos voadores não identificados. Ao descer o avião, ele pôde calcular uma estimativa do trajeto percorrido pelos OVNIs e do tempo gasto para fazer isso. O resultado foi uma velocidade média impressionante de 2.700 km/h, algo inimaginável para qualquer aeronave em 1947.


Além da velocidade supersônica, chamou a atenção de Arnold a forma como voavam tais objetos. Em declaração a Nolan Skiff e William C. Bequette, do jornal East Oregonian, o piloto havia dito que os veículos voavam “como um prato atirado pela superfície da água”.

Segundo o aviador declarou mais tarde, ele nunca se referiu ao formato dos objetos como “pratos” ou “discos”, porém, a sua descrição levou Bequette e Skiff a cunharem o termo “disco voador” pela primeira vez na história — daí o fato de se celebrar o dia 24 de junho como o Dia Mundial do Disco Voador.



A Noite Oficial dos OVINs no Brasil


Aqui em terras tupiniquins também temos nossa porcentagem de casos curiosos e intrigantes envolvendo discos voadores, abduções e aparições de alienígenas.


O mais famoso caso brasileiro foi o do ET de Varginha, onde no ano de 1996 tiveram vários relatos de pessoas que viram algumas criaturas estranhas na cidade mineira e que o exército teria se envolvido na captura de algumas dessas criaturas.


Ilustração do ET de Varginha em matéria do Fantástico (Maio/1996)

Outro caso famoso é a chamada Operação Prato, caso que ocorreu no Pará nas cidades de Vigia, Colares e Santo Antônio do Tauá. Foi uma operação realizada pelo 1° Comando Aéreo Regional – I COMAR, órgão da Força Aérea Brasileira, onde se investigava o ataque a população por objetos luminosos, caso que na época, no ano de 1977, foi amplamente noticiados pela imprensa, que reportavam ataques a população pelos objetos através do uso de raios luminosos que supostamente causavam na vítima queimadura, perda de sangue, marcas de agulhas e até a morte. O caso ficou famoso anos depois quando alguns documentos oficiais foram liberados pela FAB (Força Aérea Brasileira), mesmo que durante o tempo em que se passou os ocorridos, muitos jornais e revistas da região noticiavam o caso. O acervo oficial é composto por documentos liberados pela FAB e documentos do SNI (Serviço Nacional de Informações) liberados pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, todos sob guarda do Arquivo Nacional em Brasília.


Relatório da Operação Prato, Registro de Caso nº1 (Fonte: Agencia Nacional)

O caso tomou uma repercussão maior logo após as revelações feitas pelo Capitão da Aeronáutica Uyrangê de Hollanda Lima feita em 1997 numa entrevista concedida ao ufólogo Ademar José Gevaerd, editor da Revista UFO. A entrevista foi gravada e alguns meses depois o Capitão Hollanda se tirou a própria vida, enforcando-se no quarto de casa com a corda do roupão.


capitão Uyrangê Bolivar Soares Nogueira de Hollanda Lima (Foto: Entrevista gravada-Ademar José Gevaerd)

Sua entrevista já apareceu em diversas reportagens e matérias de várias emissoras.


A Aeronáutica afirma que todas as informações relativas à Operação Prato já foram disponibilizadas


Aqui em Jardinópolis temos nosso próprio Disco Voador e algumas histórias curiosas, mas isso é assunto para um outro momento.


Disco Voador de Jardinópolis (Foto: Renato Gomes)

Na minha opinião, um dos casos mais curiosos e talvez mais importantes do Brasil sobre Ufologia (o termo UFO em inglês significa Unidentified Flying Object, o mesmo que Objeto Voador Não Identificado), foi um caso que ocorreu em algumas cidades do sudeste brasileiro.


Na noite de 19 de maio de 1986 nada mais do que 21 objetos voadores foram detectados por vários radares pelo país, inclusive pelo Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA I), com sede em Brasília, sem contar inúmeras pessoas que depois reportaram terem vistos luzes nos céus daquela noite.


Recorte do jornal Folha de S. Paulo de maio de 1986 sobre o caso

O importante e curioso nesse caso todo foi que logo em seguida ao ocorrido, as forças armadas brasileiras vieram a publico relatar tudo. Teve entrevista com coronel, major, capitão, piloto, tudo numa grande coletiva de imprensa. Inclusive o Tenente-Brigadeiro do Ar, Octávio Júlio Moreira Lima na época então Ministro da Aeronáutica, participou da coletiva.


Brigadeiro Moreira Lima, Ministro da Aeronáutica em 1986 durante coletiva

Resumindo o que aconteceu, as 20h50 ocorreram as primeiras aparições nos radares de pontos sem identificação. O primeiro objeto a ser detectado foi feito pela torre de controle do aeroporto de São José dos Campos, e foi então passado a informação a um comandante em voo próximo ao sinal, para conferir o que estava ali nos céus


Esse ponto é importante e curioso pois quem estava a bordo desse voo era o então Presidente da Petrobrás, Osíris Silva. Isso é importante pois é uma autoridade que depois relatou o ocorrido, corroborando mais ainda com toda essa história.


Logo em seguida outros radares captaram esses objetos e aos poucos foi dada a ordem para que aeronaves da FAB subissem aos céus para identificar e perseguir esses objetos.

Duas operações foram executadas naquela noite, com caças F-5 e Mirage, uma partindo da Base Aérea de Santa Cruz (RJ) e outra de Anápolis (GO).


Como o Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA) achou perigo toda essa movimentação de objetos não identificados, toda essa operação foi necessária.


Segundo alguns relatos dos pilotos, os objetos estavam tão rápido quanto os caças que os mesmos pilotavam, e ainda foi relatado perseguição desses objetos aos caças.


Após mais de 3h de operações tudo se encerrou, e ao final ninguém sabia explicar o que de fato ocorreram, apenas anos mais tarde, em 2009, foi então divulgado o relatório oficial da FAB sobre o caso, que diz: “Como conclusão dos fatos constantes observados, em quase todas as apresentações, este Comando é de parecer que os fenômenos são sólidos e refletem de certa forma inteligência, pela capacidade de acompanhar e manter distância dos observadores, como também voar em formação, não forçosamente tripulados."

Agora mais recentemente, em 2015, através da Lei de Acesso à Informação, o Arquivo Nacional disponibilizou gratuitamente 16 áudios das conversas entre as torres de comando e os pilotos.


Esses áudios são uma preciosidade, e é incrível ouvir o relado “ao vivo” dos pilotos que as vezes conseguiam observar os pontos luminosos mas que não conseguiam chegar perto, são mais de 3h de áudios e vou deixar AQUI o link do canal do youtube sobre ufologia do grupo BURN - Rede Brasileira de Pesquisas Ufológicas, onde eles compilaram esses áudios numa playlist.


Caso queiram pesquisar mais sobre os arquivos divulgados e que estão no Arquivo Nacional, clique AQUI


Abaixo a matéria feita pelo Fantástico logo após o ocorrido no ano de 1986



Bom, por hoje é só, e como diz o nosso querido ET Bilú:


“Busquem conhecimento!!!”



Fontes: Arquivo UFO, Canal Tech, Arquivo Nacional, Revista UFO

JARDNET-BANNER-TOPO.jpeg
  • Ícone do Facebook Preto
  • Ícone do Twitter Preto
  • Preto Ícone Instagram

© 2019 Mídia Digital por Renato Gomes