• Ícone do Facebook Preto
  • Ícone do Twitter Preto
  • Preto Ícone Instagram
  • Renato Gomes

Dia Internacional da Mulher: as origens da data e as homenagens

Mulheres jardinopolenses deixam aqui suas mensagens

A luta pelos direitos iguais das mulheres vem desde sempre, mas no início do séc. 19 grupos de movimentos operários protestavam em vários países da Europa e nos Estados Unidos. As jornadas de trabalho de aproximadamente 15 horas diárias e os salários medíocres introduzidos pela Revolução Industrial levaram as mulheres a greves para reivindicar melhores condições de trabalho e o fim do trabalho infantil, comum nas fábricas durante o período.


O primeiro Dia Nacional da Mulher foi celebrado em maio de 1908 nos Estados Unidos, quando cerca de 1500 mulheres aderiram a uma manifestação em prol da igualdade econômica e política no país. Um protesto em 28 de fevereiro de 1909 reuniu mais de 3 mil pessoas no centro de Nova York e culminou, em novembro daquele ano, em uma longa greve têxtil que fechou quase 500 fábricas americanas.


Em 8 de março de 1917, quase no final da Primeira Guerra Mundial (23 de fevereiro no calendário Juliano, adotado pela Rússia até então), aproximadamente 90 mil operárias manifestaram-se contra o Czar Nicolau II, as más condições de trabalho, a fome e a participação russa na guerra - em um protesto conhecido como "Pão e Paz".


Somente mais de 20 anos depois, em 1945, a Organização das Nações Unidas (ONU) assinou o primeiro acordo internacional que afirmava princípios de igualdade entre homens e mulheres. Nos anos 1960, o movimento feminista ganhou corpo, em 1975 comemorou-se oficialmente o Ano Internacional da Mulher e em 1977 o "8 de março" foi reconhecido oficialmente pelas Nações Unidas.


No Brasil, as movimentações em prol dos direitos da mulher surgiram em meio aos grupos anarquistas do início do século 20, que buscavam, assim como nos demais países, melhores condições de trabalho e qualidade de vida. A luta feminina ganhou força com o movimento das sufragistas, nas décadas de 1920 e 30, que conseguiram o direito ao voto em 1932, na Constituição promulgada por Getúlio Vargas. A partir dos anos 1970 emergiram no país organizações que passaram a incluir na pauta das discussões a igualdade entre os gêneros, a sexualidade e a saúde da mulher. Em 1982, o feminismo passou a manter um diálogo importante com o Estado, com a criação do Conselho Estadual da Condição Feminina em São Paulo, e em 1985, com o aparecimento da primeira Delegacia Especializada da Mulher.

Texto referência: site Nova Escola

Foto capa: RAWPIXEL.COM/SHUTTERSTOCK

Parabéns a todas as Mulheres do Mundo, não só pelo dia de hoje, mas todos os dias de lutas e conquistas.

Confira abaixo algumas mensagens, textos e poemas deixadas por várias mulheres jardinopolenses para o Dia Internacional da Mulher:

Marli Rodrigues Violante Pegoraro – Vereadora e Presidente da Câmara Municipal de Jardinópolis


Que por todos os dias possamos celebrar nossa grandeza. Somos mulheres multifacetadas, fortes e suaves, humanas e divinas, enfrentamos o mundo e carregamos em nós a seiva da vida.


Por nós mesmas, nossas famílias e nossos trabalhos, somos selvagens e amorosas, destemidas e cuidadosas.


Sabemos em essência o significado de resistência e superação.


Nós, mulheres sagradas, somos a própria primavera.


E "a primavera é inexorável." (Pablo Neruda)

Alessandra Barbosa - Fotógrafa e Repórter


A mulher é um ser humano muito especial e que trava batalhas todos os dias, desde o início da sua existência, para continuar sobrevivendo e conquistando o seu espaço na sociedade. Então, mais do que tudo, as mulheres são guerreiras. O dia da mulher é todo dia, toda hora e todo segundo. Não somos donzelas, belas e perfeitas. Não somos objetos, troféus ou vítimas silenciosas.


Feliz Dia da Mulher para todas as guerreiras que à sua maneira lutam pela igualdade e pela libertação dos estereótipos!


Somos mulheres e queremos respeito e reconhecimento pelas pessoas que somos. A todas vocês mulheres, Parabéns!

Camila Marcheto de Sousa - Enfermeira


Camila Marcheto de Sousa, 38 anos, enfermeira, casada, mãe de duas meninas, Lorena, 18 anos e Manu, 6 anos!


Sempre fui rodeada por mulheres fortes desde que vim ao mundo, hoje tenho o prazer de ter duas filhas mulheres e conseguir compreender um pouco mais o que é ser mulher. A dádiva de poder carregar no ventre o ciclo da vida. Ser mulher é conseguir entender ainda mais os pequenos prazeres da vida e ver além do que os olhos podem enxergar, é sobre sentir. Além disso, venho homenagear minha profissão, a qual é majoritariamente feminina, afinal a OMS definiu 2020 como o ano internacional do profissional da enfermagem. Dedico esse poema com carinho e admiração a todas as mulheres do mundo: Vai menina


vai, menina o mundo é grande mas tem o tamanho exato do seu abraço


o mundo, às vezes, é sujo: por isso não se esqueça que lágrima é também água que purifica


e, por favor, não caia na armadilha de tentar ser alguém na vida e acabar se esquecendo de ser você mesma


então, vai sorria, sorria e sorria! o mundo é um jardim muito sério e seu riso é doença séria que contagia


mostre pro João, pro Fernando e pra Maria que felicidade é uma questão de escolha e você a escolhe todo dia


então devore o MUNDO sem piedade e com muita gula sua alma é a impressão digital do universo é linda e única


(Victor H. Machado)

Alessandra Aparecida de Miranda Cilli – Biblioativista e Pedagoga


Mulher, como diria Clarice Lispector: "Liberdade é pouco. O que desejo ainda não tem nome"


É este desejo que tenho para as mulheres hoje, mais que Liberdade. Que nada as possa definir porque essa definição só a elas pertence.


É fato que ser mulher num mundo machista, onde ideias misóginas estão enraizadas, é jornada heroica; que estejamos de mãos dadas com muita sonoridade e que cresça na consciência coletiva o grande valor da igualdade.


Aldravia AM 74

mulher

como

queira

nada

te

define

Ana Carolina Gomes Cola - Enfermeira


Florence Nightingale (Florença/Itália, 12 de maio de 1820-Londres, 13 de agosto de 1910), de nacionalidade britânica, foi a fundadora da Enfermagem moderna. Ela foi a pioneira no tratamento de feridos em batalhas, ficando famosa pela sua atuação na Guerra da Crimeia.


A feminização do cuidado na saúde, desde muitos séculos, contribuiu para que a profissão de enfermagem fosse majoritariamente constituída por mulheres. A prática da enfermagem está diretamente associada ao cuidado e sempre esteve vinculada a ideia de um trabalho extensivo do lar e aos atributos femininos como delicadeza, fragilidade, pureza, altruísmo, disponibilidade e submissão. Para a sociedade brasileira, ainda permanece a visão que esta prática do cuidado está relacionada com o empirismo, corroborando para a falta de reconhecimento científico da nossa profissão. Adiciona-se, ao ambiente do trabalho, a existência da conciliação das tarefas domésticas, o ser esposa e o ser mãe. Apesar de incentivos à paternidade e a participação do pai na criação dos filhos e nas atividades domésticas, percebo que geralmente a mulher ainda é a responsável principal por esse cuidado e educação, além daqueles relacionados à casa. Entretanto, ressalto que essa divisão sexual do trabalho e concepções de maternidade ou paternidade é plural, sendo influenciada por fatores culturais, sociais, econômicos e políticos. Contudo, é fundamental tentar construir cenários de trabalhos externos e domésticos que possibilitem relações de maior igualdade e que contribuam para o crescimento da mulher, sendo este na ciência da enfermagem ou onde ela escolher. Pois assim como Florence somos as GUERREIRAS empíricas de um vasto conhecimento como MULHER e ENFERMEIRA!

(Créditos Lilian Ayres).

Vanessa Maturana - Gerente Global de Compras Estratégicas


Ser mulher no mundo corporativo


O termo “teto de vidro” é usado no Brasil para descrever situações em que não devemos julgar ou criticar as pessoas, em face de podermos viver circunstâncias semelhantes.


No mundo corporativo, teto de vidro (glass ceiling em inglês) é uma metáfora usada para representar uma barreira invisível e imaginária, que impede que um determinado grupo demográfico suba além de um certo nível em uma hierarquia. Entre os asiáticos o termo usado é “teto de bamboo” (bamboo ceiling). São combinações de fatores individuais, culturais e organizacionais que impedem o avanço de carreiras.


Este fenômeno é muito observado entre mulheres, as quais frequentemente criam barreiras imaginárias que impedem a busca de promoções ou altos cargos dentro das empresas. Segundo a revista Fortune, apenas 5% das CEOs das S&P500 são mulheres.


Algumas pesquisas apontam que quando existe oportunidade de promoção, os homens aplicam para as vagas tendo em média 80% dos pré-requisitos exigidos, enquanto as mulheres tentam uma promoção quando possuem todos os pré-requisitos ou até mais do que é solicitado.


Isto demonstra algumas diferenças entre homens e mulheres no mundo corporativo. Os homens são propensos a assumirem mais riscos e são mais diretos na tomada de decisão. Por outro lado, as mulheres são mais colaborativas e o trabalho em equipe é desenvolvido de maneira mais empática e com notável compaixão.


Ambos grupos possuem qualidades que agregam valor às corporações. As grandes e certamente as melhores empresas ja estão trabalhando para trazer um equilíbrio entre o número de homens e mulheres.


As empresas já perceberam que promover uma "cultura de inclusão" e reconhecer a inclusão de gênero é um fator-chave na agilidade organizacional, inovação e sucesso. As mulheres trazem diferentes recursos para o local de trabalho e é fundamental introduzir políticas e processos que estimulem a participação das mulheres, especialmente nos níveis mais altos.


Também é necessário desenvolver uma compreensão genuína dos desafios enfrentados pelas mulheres e identificar os comportamentos que incentivam as mulheres a terem sucesso. Com isso, as mulheres precisam demostrar os comportamentos que as incentivam buscar as posições desejadas.


Sobre a autora: Sou gerente global de compras estratégicas negocio globalmente tratamento de superfície e vernizes aplicados ao alumínio. Uma das minhas grandes paixões é estudar e analisar as diferentes culturas, aplicando este conhecimento às estratégias de negociação que utilizo.

Josiane Ivanoff Gomes - Dentista


Sempre sonhei em me formar e ser uma mulher independente... Em 2002, terminei minha faculdade e em janeiro de 2003 colei grau me tornando assim uma dentista....


Confesso que o começo não foi fácil, mas morava com meus pais e pude me dedicar exclusivamente a me aperfeiçoar e realizar alguns sonhos, como viajar...


E assim foi...


Me sentia profissionalmente realizada! A odonto me permite conhecer pessoas e conviver certo tempo com elas, me permite cuidar da saúde e tbm reabilita-las, devolvendo função e até auto estima com a estética! Eu amo ser dentista, seria capaz de ficar horas falando bem dessa profissão.


Até que em 2016 me casei, em 2018 me tornei mãe e como varias mulheres, hoje eu entendo a expressão "ser mil em uma".


Hoje sou dentista, esposa, mãe e tudo mais que isso traz junto como dona de casa, cozinheira e etc... Ter minha família me completou! A gente tira força pra conseguir realizar tudo, acorda mais cedo e dorme mais tarde, mas isso acontece naturalmente e damos conta de tudo! Qdo paro pra pensar o que fiz no dia anterior as vezes nem acredito!


E ser assim, me realiza!


Tudo bem, confesso, nunca estive tão cansada e tbm nunca estive tão feliz!

Dalva Siqueira - 38 anos - Assistente Social


Certamente, o 8 de março é um dia de luta, dia para lembrarmos que ainda há muitos problemas a serem resolvidos, como os da violência contra a mulher, do feminicídio, da própria diferença salarial. Precisamos de mais mulheres nos espaços de poder na vida política e pública e na tomada de decisões. Acredito que evoluímos, e que hoje a gente

consegue falar sobre vários problemas que antes, se escondia. Tudo ficava entre quatro paredes. Por isso mulheres não podemos parar de lutar por nossos direitos, não podemos nos calar, houve um início e mesmo assim são muitos problemas que ainda persistem.... Lutaremos até o fim!


Parabenizo todas as mulheres de nossa querida cidade Jardinópolis pelo nosso dia, segue esse Provérbios:


‘’Enganosa é a graça, e vã é a formosura; mas a mulher que teme ao Senhor, essa será louvada.’’ (Prov. 31:30)

Carolina Souza Bolssone Pereira - Professora


Mulher....


Não há palavras que definam ser de tamanha força...


É capaz de gerar em seu ventre assim como também em seu coração!


Olhar manso, coração cheio de amor, cérebro acelerado...


Somos “Marias”, somos “Joãos”, somos o que precisamos depende da situação!


Me espanta que hoje em dia, mesmo com tamanha tecnologia, ainda se fala com tamanha hipocrisia: - olha lá, apanhou porque queria...”


Me respeita, meu senhor, quero um pouco mais de amor se por acaso tu existes não foi eu quem o gerou?!


Logo então, eu me despeço...


Pois mesmo com tantas adversidades, quero a ti mulher dizer:


Você é forte, é guerreira; você pode, você consegue...


Mas não precisa ser assim todo dia não! Matamos todos um dia um leão, mas se precisar seremos princesa no balcão de um bar.

Giovana Thomazini - Comerciante


Competentes, determinadas, carinhosas, batalhadoras, amigas, racionais, amadas, fortes, talentosas, emotivas, vencedoras, românticas, belas, inteligentes, cheirosas, estilosas, tímidas, choronas, vibrantes, encantadoras, ousadas, delicadas, sensíveis, sedutoras, dedicadas e empreendedoras!


Feliz dia da Mulher!



Carol Marconi - Publicitária


LUGAR DE MULHER É ONDE ELA QUISER!


Hoje se fala muito em MULHER EMPREENDEDORA, mas para mim a mulher já nasce empreendedora.


EMPREENDER - transitivo direto

Decidir realizar, tentar.

Por em execução.


E esse VERBO conjugamos, sempre!


Seja como mãe, filha, irmã, profissional liberal, de carreira, freelancer, empresária, política... e muitas outras.


Queremos mais que trabalhar, queremos o lugar que escolhemos estar!


Desejo um FELIZ DIA(s) DAS MULHERES!





  • Ícone do Facebook Preto
  • Ícone do Twitter Preto
  • Preto Ícone Instagram