• Ícone do Facebook Preto
  • Ícone do Twitter Preto
  • Preto Ícone Instagram
  • Renato Gomes

Prefeitura esclarece motivos para retirada das cadeiras do anfiteatro

Cadeiras do antigo anfiteatro localizado na Prefeitura de Jardinópolis foram removidas, e no local, agora estão os arquivos da própria Prefeitura e do Pronto Atendimento

Durante todo dia da última segunda-feira (13), as redes sociais através de grupos, páginas e perfis, principalmente do facebook, se mobilizaram para entender o que estava acontecendo dentro do anfiteatro localizado nas dependências da Prefeitura Municipal de Jardinópolis.


A prefeitura fica localizada onde um dia foi o antigo Colégio "Sagrado Coração de Jesus", fundado no ano de 1914 pelas Irmãs Franciscanas Missionarias no Egito, posteriormente passando a se chamar Irmãs Franciscanas Missionárias do Coração Imaculado de Maria.


O Anfiteatro foi construído, no início dos anos 50, para servir ao Conservatório Sagrado Coração de Jesus, instalado no Colégio, e que formou sua primeira turma em 15 de dezembro de 1956. A Irmã Sandra Salgado, Professora de Música, era a Diretora do Conservatório.

Formatura realizada no antigo Anfiteatro, ainda durante a existência do Colégio Sagrado Coração de Jesus, no piano, a Irmã Sandra Salgado. (Foto: Grupo ACERVO JARDINÓPOLIS / Antônio Jorge Fernandes)

No ano de 1990 o Colégio encerrou suas atividades na cidade de Jardinópolis e a partir de fevereiro de 1991 o prédio passou a abrigar a Escola de Formação de Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo.


Já faz algum tempo que no local se tornou o Paço Municipal de Jardinópolis.


O anfiteatro, que um dia foi utilizado para ensinamento de música, apresentação de peças de teatro, cinema improvisado e por diversas vezes servindo como espaço para colação de grau de várias escolas da rede pública, hoje se encontra um pouco "esquecido".


Ainda que muitos cursos ministrados pela própria Prefeitura aconteçam no local, de longe ele funciona como um dia funcionou.


Na tarde de ontem (13) algumas pessoas se manifestaram em redes sociais pois começou a circular a informação de que estavam retirando as cadeiras do local e jogando fora, e que ali agora seria uma espécie de galpão.


Algumas fotos do local já sem as cadeiras com alguns antigos arquivos colocados no local começaram a surgir, uma dessas imagens publicada pela Vereadora Ana Luisa Ortelani Valadares (Prof. Aninha).

Anfiteatro já sem nenhuma cadeira e com os arquivos depositados no local. (Foto Ana Luisa Ortelani Valadares)
Anfiteatro quando ainda estava com as cadeias, em comparação com a foto de cima vazia. (Foto Grupo ACERVO JARDINÓPOLIS)

Segundo a vereadora, ela mesmo foi até a prefeitura para tentar entender o que estava acontecendo e pedindo informações.


Procuramos a assessoria de imprensa da prefeitura ainda na tarde de ontem, e nos foi informado, até então, que o local seria utilizado parcialmente para colocação do chamado "arquivo morto" da própria prefeitura. Hoje iriamos até a prefeitura para colher mais informações, mas o Vereador Luiz Fernando Riul (Xotô) em comentário numa postagem da vereadora Aninha, informou que o próprio Prefeito Paulo Brigliadori teria interesse em preservar o local e que as cadeiras seriam restauradas, e a prefeitura iria informar a população sobre o ocorrido com uma nota em sua página oficial do facebook.


Segue abaixo a nota na integra da Prefeitura Municipal de Jardinópolis:


"Nota da Secretaria de Administração e Planejamento

Com o objetivo de executar a revitalização do anfiteatro, de forma a cumprir as normas de acessibilidade e segurança exigidas para instalações destinadas à realização de eventos públicos, encontra-se em elaboração o Termo de Referência para contratação do projeto de restauração daquele espaço cultural.

Atualmente aquelas instalações não podem ser utilizadas para a realização de eventos, uma vez que, por não se encontrarem adequadas às referidas normas, não se consegue o Atestado de Vistoria do Corpo de Bombeiros – o AVCB —, sem o qual nenhuma atividade, inclusive visitação, é permitida.

Entre as adequações necessárias temos a substituição da fiação elétrica (que em parte ainda é construída com fios com capa de pano), transmissão de energia por cabos, diretamente do padrão de entrada, porta de emergência, luzes de emergência, lógica, pintura das paredes, restauração das poltronas e colocação de recursos de acessibilidade. Recentemente, as poltronas que na sua maioria encontram-se em mau estado de conservação foram retiradas, para a colocação de arquivos do Pronto Atendimento. Isso ocorreu em virtude da necessidade de se abrir mais duas salas, na Unidade de Pronto Atendimento – PA, para atendimento e suporte aos pacientes acometidos pela COVID 19, pois o aumento dos casos no município, somado à saturação das vagas nos hospitais de referência, resultou no maior tempo de espera para transferência desses pacientes, havendo então que se providenciar a estrutura de atendimento que os mantivesse estáveis até sua internação em média e/ou alta complexidades. Caso isso não fosse efetuado, pessoas poderiam ter ido a óbito. No momento, aquele era o único local disponível para a acomodação dos arquivos, até mesmo porque, no Paço Municipal, existe vigilância vinte e quatro horas/ dia, o que evita qualquer tipo de perdas desses documentos. Especificamente com relação às poltronas, essas vão ser devidamente restauradas, e recolocadas nos seus respectivos lugares. O prefeito já determinou o retorno das poltronas ao anfiteatro e os arquivos serão realocados brevemente em um galpão, dentro do próprio Paço Municipal, cuja estrutura já existe, porém necessita do fechamento em alvenaria, colocação de batentes e portas, o que já está sendo providenciado. Dessa forma, aquele espaço será restaurado e colocado, depois de muitos anos, à disposição da comunidade, tanto para a preservação da memória cultural, como para a realização de eventos e manifestações artísticas. AIPMJ/RS"


Agora resta esperar a finalização das restaurações das cadeiras e das adequações do galpão para onde irão os arquivos.

Fontes: Arquivos Jornal Mídia / Luiz Francisco Lé de Castro / Grupo ACERVO Jardinópolis

Foto capa: Ana Luisa Ortelani Valadares

Opinião

Curiosamente Jardinópolis tem um histórico não muito favorável com o entretenimento e a cultura, pelo menos por parte dos órgãos públicos.


O que um dia, num passado distante, a cultura, o lazer e a arte eram pontos importantíssimos para o bem estar da população, hoje foi deixado como segundo plano ou simplesmente esquecido, lembrando rapidamente de alguns locais públicos e privados, posso destacar os antigos cinemas, Cine Brasil, Teatro Carlos Gomes e Cine Eclair, nenhum existe mais.


O antigo Coreto, que ficava onde hoje é a fonte na Praça da Matriz, em que se apresentavam as bandas: Corporação Musical Lyra Guarani e Corporação Musical Corporação Carlos Gomes... nem o coreto e nem as bandas existem mais.


A antiga e maravilhosa Concha Acústica, onde tive o prazer de me apresentar com uma banda em 2006, após anos de abandono, sujeira, problemas estruturais, simplesmente foi enterrada e no local construído um novo coreto, mas que infelizmente nunca foi utilizado como tal.


As antigas piscinas do Centro Esportivo, onde aos finais de semana famílias, amigos e muitas crianças carentes iam se divertir nas tardes ensolaradas, foi se desgastando e também, sem a devida manutenção, foram largadas até que um dia foram enfim enterradas.


No próprio Centro Esportivo, uma Arena de Rodeiros foi construída, sendo na época a segunda maior arena fixa do estado de São Paulo. Foi por alguns anos utilizada com essa função, mas foi se perdendo com o tempo, chegando a se tornar quase uma "ruína grega", sendo bem exagerado, mas pela quantidade de mato e sujeira que estava no local. Recentemente ela chegou a ser restaurada e utilizada nas comemorações do aniversário da cidade no ano passado.


O Museu e Casa da Cultura, sempre tão desvalorizado por parte da população, e as vezes por parte de gente da própria política. O único local hoje em Jardinópolis, que mantém parte de sua história a vista de todos que quiserem prestigiar.

Fotos, livros, documentos, peças, móveis, quadros, muito do que conta a nossa história num local que felizmente será restaurado, mas novamente, após quantos anos, quantos responsáveis pelo local, e só agora estão resolvendo dar o devido valor a nossa história?!


Tantos outros pontos e locais da cidade que já serviram para algum tipo de arte, cultura ou entretenimento, ou são largados até o abandono e por fim precisam ser demolidos, ou se resolve restaurar, mas as vezes com anos de demora.


Jardinópolis possui muitos talentos, muitos artistas, mas sempre foram muito pouco valorizados pelo poder público, ainda que, de uns anos para cá, pelo menos, a secretaria de Cultura e Turismo tenha se empenhado bastante em dar mais valor à eles e em trazer mais arte e cultura para nossa população.


Ainda assim, falta mais carinho e boa vontade de outros setores da prefeitura. Investir na arte, na cultura e no lazer é também investir na educação e na saúde.


Falo isso tudo pois espero que o anfiteatro possa, em algum momento, voltar a ser o que um dia foi, ou quem sabe, melhor do que era.


  • Ícone do Facebook Preto
  • Ícone do Twitter Preto
  • Preto Ícone Instagram