• Renato Gomes

Galpão do Agronegócio foi demolido e o futuro do local é incerto

Uma obra que nunca foi usada de fato, construído, abandonado, incendiado e por fim, demolido. São mais de 10 anos desde a sua construção, inauguração e demolição

Por inúmeras vezes o Jornal Mídia, tanto sua versão impressa, como a digital, noticiou em suas páginas e site, denuncias e o descaso com o local.


Construído ainda na gestão do então prefeito Mário Sérgio Saud Reis "Cebola" (PP), teria como propósito reunir produtores do agronegócio local, para divulgar e venderem seus produtos.


Desde sua construção poucas vezes foi de fato utilizado, se tornando apenas um grande galpão vazio, no meio de um terreno enorme.


Localizado dentro de um grande terreno, quase do tamanho de um quarteirão, ele fica no meio das ruas Higino Marchió, rua Ver. José Dias Capelli, Rua Caetano Marasco e rua Ricardo Brassarola, próximo do Cemitério Municipal.


Desde a sua inauguração, o galpão nunca encontrou uma destinação adequada, e passou por polêmicas, como a utilização do local por empresas privadas, por possíveis usos de uma feira livre que nunca deu a luz, e durante a gestão do ex-prefeito José Antônio Jacomini (Cidadania), houve uma tentativa de sediar no local uma espécie de incubadora de empresas, mas que não atraiu interessados em número suficiente, mesmo abrindo a experiência para outros setores que não o agronegócio.


Em 2013, se cogitou a instalação de uma escola do SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial). O local tinha potencial para a implantação da escola, mas era preciso fazer uma limpeza de entulhos que estavam no local e uma reforma, como a retirada de algumas paredes, mas ficou estabelecido para 2014 o inicio dessas ações pela prefeitura.

Recorte da edição 392 de 16 de novembro de 2013 do Jornal Mídia.

Nesse meio tempo houve vandalismo no local, o abandono favoreceu a presença de usuários de drogas e acabou servindo também para abrigo de pessoas em situação de rua.


No final das contas acabou que o Galpão do Agronegócio continuou servindo de depósito de entulhos e pneus.

Janeiro de 2016, Galpão sendo usado como depósito. (Foto: Arquivo Jornal Mídia Digital)

No começo do ano de 2016, a Associação Ciranda Viva entrou em acordo com o Prefeito na época, José Jacomini, onde a associação iria utilizar o espaço para suas atividades.


Mas em março houve um incêndio no Galpão do Agronegócio. O incêndio foi justamente onde se alojava os pneus, com frente para a rua Ricardo Brassarola, e o galpão continuou como estava.

Março de 2016, interior do Galpão após incêndio. (Foto: Arquivo Jornal Mídia Digital)

Em julho de 2017 outro incêndio tomou conta do galpão, dessa vez com estragos maiores, a estrutura ficou retorcida e parte do telhado desabou.

Julho de 2017, após o pior incêndio sofrido pelo Galpão, a estrutura distorcida e parte do telhado caiu. (Foto: Arquivo Jornal Mídia Digital)
Agosto de 2018, o portão foi retirado mas o prédio continuou perigoso. (Foto: Arquivo Jornal Mídia Digital)
Agosto de 2018, parte do tealho que desabou, continuou praticamente no mesmo estado desde o incêndio 1 ano antes. (Foto: Arquivo Jornal Mídia Digital)

Em 2019 começaram de fato a limpeza do local, retirando os entulhos, e o galpão ficou com apenas parte de sua estrutura em pé, como paredes e parte do teto.

Outubro de 2019, interior do Galpão já limpo. (Foto: Renato Gomes)

Em fevereiro de 2020, como publicado AQUI, conversamos com o Secretário Municipal de Obras e Serviços Públicos, Rafael Henrique Castaldini, onde foi nos dito que o Prefeito Municipal Paulo José Brigliadori (Cidadania) já teria autorizado a demolição do prédio.


O Secretário afirmou na época que seria feito um laudo técnico com todas as informações sobre a situação do local e seria feito um projeto básico para que a demolição pudesse ser feita, e como ainda faltavam alguns trâmites, provavelmente em 2 meses tudo seria resolvido.


Quase 18 meses depois, agora em 2021, o prédio foi enfim demolido.


Espaço onde antes ficava o galpão. (Foto: Renato Gomes)

No local agora restam alguns entulhos que sobraram das paredes do galpão.


Na última segunda-feira (9), enviamos um email para a Prefeitura municipal de Jardinópolis, perguntando qual o futuro do local, se algo vai ser construído ali, e sobre o espaço do campinho de futebol que existe no local, que é utilizado até hoje pelos munícipes, principalmente as crianças.

Entulhos do que sobrou do galpão, e ao fundo o campinho de futebol. (Foto: Renato Gomes)
Espaço que seria um estacionamento ao lado do galpão, dentro do terreno. (Foto: Renato Gomes)
Crianças jogando bola no campinho de futebol. (Foto: Renato Gomes)

Até a publicação desta matéria não recebemos retorno.


O futuro agora é incerto, não sabemos o que será feito do local, se o campinho será mantido, se tudo será demolido e algo construído no local.


Resta agora a lembrança do que um dia foi escrito num dos muros do galpão, mas que nunca se concretizou: “Local exclusivo para educação, escola municipal, crianças".

Outubro de 2019, Inscrição no restou de uma parte do muro. (Foto: Renato Gomes)

Foto capa: Renato Gomes


É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações publicados no site do Jornal Mídia Digital, mesmo reprodução de outro texto, por qualquer meio, sem prévia autorização do autor conforme Lei nº 9610/98. Contudo, a divulgação ou compartilhamento das publicações originais, apenas as originais, como link ou postagem em redes sociais do Jornal Mídia Digital, estão permitidas.





0 comentário